Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CARTAS – Opinião de Leitores da folha de Londrina
Nessas últimas semanas os moradores de Rolândia presenciaram notícias de assassinatos, sequestros, ataques a casas de...
10 passos para uma compra segura pela Internet
Salve ou imprima todos os passos da compra, inclusive e-mails de confirmação
veja mais

 

05/07/2006 - Ex-marido deve sustentar ex-mulher que não trabalha

Ex-marido deve sustentar ex-mulher que não trabalha

Redação/O Estado do Paraná [02/07/2006]

Ex-companheiros têm obrigação de dar pensão alimentícia caso o ex-marido ou a ex-mulher não estejam mais em condições de ingressar no mercado de trabalho. O entendimento unânime é da 3.ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Cabe recurso.

O ex-marido, que é profissional liberal, argumentou que enfrenta grandes dificuldades no mercado de trabalho e que não pode arcar com o sustento da ex. A alegação foi rejeitada pelos desembargadores por que não ficou comprovada a dificuldade financeira.

Casados desde 1973 e separados há um ano, o casal teve quatro filhos. A mulher nunca trabalhou fora desde o início da união. Ela alegou que tem 57 anos, não tem como se manter e também não consegue emprego, principalmente, por causa da idade.

O Tribunal aplicou o artigo 1.694 do novo Código Civil. De acordo com a norma, parentes, cônjuges ou companheiros podem pedir uns aos outros “os alimentos de que necessitam para viver de modo compatível com sua condição social”. Pela regra, não importa se o provedor é o homem ou a mulher, a prestação deve vir de qualquer um dos dois, indiferentemente.

Segundo a Turma, basta que fique demonstrado o binômio necessidade/possibilidade para que seja estipulado o dever de alimentar. No caso, a ex-mulher demonstrou nos autos sua falta de recursos para se manter no dia a dia e para cumprir com as obrigações já assumidas. Por outro lado, ficou comprovado que o ex-marido trabalha e recebe remuneração regularmente, apesar das alegações em sentido contrário.

Processo: 20.050.110.363.530   ( www.reclamando.com.br – Direito de Família)

Caderno Direito & Justiça – O Estado do Parana´- 02/07/2006

 

 

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná - Direito e Justiça
Imprimir   enviar para um amigo
Luciana Saddi: Alienação parental é uma tragédia
Desde 2010, o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente) prevê punição para quem comete alienação parental --que é quando um genitor tenta destruir a imagem do outro para o filho.
STJ decide que casal gay pode adotar criança menor de 12 anos
"Essa escolha é livre, não podendo em nenhuma hipótese classificar quem quer que seja em melhor ou pior. O homossexual tem o direito de adotar um menor, salvo se não preencher os requisitos estabelecidos em lei.
Separação judicial não está banida do ordenamento jurídico
Não se revela inviável sustentar que a Constituição da República, ao afirmar que o casamento pode ser dissolvido pelo divórcio, com força normativa, não revogou as disposições do Código Civil.
A importância dos referenciais masculino e feminino
A família não é uma entidade meramente cultural ou ideológica, e, portanto, não é qualquer junção de pessoas que deve ser considerada como tal.
Foco no adotado, não no adotante
No Brasil, a adoção homoparental existe e é aceita em vários estados brasileiros.
Obstáculos judiciais dificultam adoção por casais homoafetivos no Brasil
Quando Airton e Marcos chegaram em casa com os dois futuros filhos adotivos – na segunda visita antes de a adoção ser efetivada –, o mais velho olhou para eles e perguntou: “quando é que poderei chamar vocês de pai?”.
Comissão aprova projeto que torna legal casamento homossexual
A decisão do STF, porém, não é equivalente a uma lei sobre o assunto --por isso o Congresso quer incluí-la na legislação brasileira. O artigo 1.723 do Código Civil estabelece a união estável heterossexual como entidade familiar.
Dilemas da Justiça
SÃO PAULO - É com imenso atraso que comento a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de obrigar um pai a indenizar a filha em R$   200 mil por abandono afetivo.
Filha indenizada por abandono diz que tentou aproximação com pai
A professora Luciane Nunes de Oliveira Souza, 38, afirmou que procurou o pai diversas vezes durante a infância, mas que ele nunca cedeu as tentativas de aproximação.
Quando a alienação parental começa antes da separação
Temos que ter em mente o pensamento de Talmude: “Quando você ensina o seu filho, ensina também o filho do seu filho”, e assim teremos edificado a personalidade de um homem forte e seguro.

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 4 de um total de 46 páginas

InícioAnterior12345678910111213PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover