Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Auditoria comprova caos no IML do Paraná
Veja a matéria completa no link:...
Coluna do leitor
A qualidade do ensino, de maneira geral, tem caído constantemente. A regra de não reprovar os alunos do ensino básico...
veja mais

 

21/04/2006 - É ilegal prisão de avós quando pai pode pagar pensão

Briga de família

É ilegal prisão de avós quando pai pode pagar pensão

Avós somente devem pagar pensão alimentícia ao neto se o pai não tiver condições de cumprir com sua obrigação. Por isso, não é possível ajuizar ação diretamente contra os avós paternos sem comprovação de que o devedor originário, o pai, esteja impossibilitado de cumprir o seu dever.

O entendimento é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros impediram a prisão dos avós de um garoto de quatro anos. A prisão foi decretada pela Justiça de Mato Grosso do Sul. A informação é do site do STJ.

O neto, de quatro anos, representado por sua mãe, entrou na Justiça contra os avós com uma ação de alimentos, em março de 2004. Pediu pensão um salário-mínimo mensal. O valor deveria ser depositado na conta do menor até o dia 10 de cada mês. Como não foram depositados os valores de junho e julho, totalizando R$   520, a mãe pediu a citação de ambos para que fizessem o pagamento.

A primeira instância determinou que o menor e sua representante incluíssem o pai no pólo passivo da ação, já que os parentes “mais remotos só serão obrigados quando inutilmente se recorrer aos que os precedem”. A juíza considerou que, se admissível a ação de alimento contra o avô, os genitores também podem responder se tiveram patrimônio para isso. O pai foi incluído na ação.

Os avós contestaram. Alegaram que não era possível juridicamente a formulação simultânea de pensão alimentícia contra pai e avós e, desse modo, eles não teriam legitimidade para responder pela ação. Além disso, o pedido para os avós só seria possível se comprovada a impossibilidade do pai de cumprir com a responsabilidade.

A juíza fixou, liminarmente, um salário mínimo pago como pensão provisória. Ela deu três dias para que fosse efetuado o pagamento, sob risco de prisão, já que a mãe do menor havia entrado com ação de execução que exigia o pagamento.

Como o TJ-MS considerou legal a prisão dos avós, o caso foi parar no STJ. A defesa argumentou que a criança não corre nenhum risco de ser privada do necessário, uma vez que os avós maternos afirmaram que sustentam o menor desde o seu nascimento. Relatou, também, que o pai do menor ganha 2,25 salários mínimos por mês, o suficiente para arcar com a pensão alimentícia. O pai paga meio salário mínimo para a mãe da criança, conforme acordo feito em audiência de conciliação.

O relator do caso, ministro Antônio de Pádua Ribeiro, destacou que o STJ vem decidindo que a responsabilidade alimentar dos avós tem como pressuposto a “falta” dos pais. Pela jurisprudência do tribunal, não é porque o pai deixa de admitir a obrigação alimentar devida aos seus filhos que sobre os avós deve recair a responsabilidade pelo cumprimento integral.

Para o ministro, não há nos autos qualquer decisão judicial no sentido de que o pai da criança -- o devedor originário -- esteja incapacitado para cumprir sua obrigação. “Aliás, sequer consta do acórdão proferido pelo Tribunal ‘a quo’ tenha o alimentando ajuizado ação de alimentos contra o seu genitor”, afirmou. “A ação foi proposta apenas contra os avós paternos, daí a razão de ter a juíza de direito determinado a emenda da inicial para incluir no pólo passivo o devedor primário da obrigação alimentar, no caso, o pai do menor”, acrescentou. Assim, o relator entendeu que a prisão dos avós é ilegal.

HC 38.314

Revista Consultor Jurídico, 25 de fevereiro de 2005

 

 

 

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Revista Consultor Jurídico
Imprimir   enviar para um amigo
Décimo terceiro integra cálculo da pensão alimentícia
Décimo terceiro salário integra base de cálculo da pensão alimentícia. A decisão é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.
Alimentos entre colaterais
Quando cabe alimentos entre colaterais?
Responsabilidade civil por abandono paterno
Pela primeira vez, serão debatidas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) questões como se o papel dos pais se limita ao dever de sustento...
Infidelidade Virtual
Instituto moderno, cada vez mais comentado, é a infidelidade ou adultério virtual, no qual a pessoa casada ou em união estável passa a ter as mais diferentes experiências sexuais, via internet...
TJ gaúcho reconhece união estável de casal homossexual
O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reconheceu a união estável entre duas mulheres e determinou que a companheira viúva entre na partilha de bens. A decisão é da 7ª Câmara Cível. Cabe recurso.
Dificuldade financeira não desobriga o pagamento de pensão alimentícia
Desemprego não torna nula a cobrança de pensão alimentícia.
Pai condenado por abandono de filho.
O papel dos pais se limita ao dever de sustento? Prover materialmente o filho basta ou a subsistência emocional também é uma obrigação legal dos pais? A ausência de afeto dos pais para com os filhos pode ser motivo de indenização por dano moral?

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 46 de um total de 46 páginas

InícioAnterior37383940414243444546

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover