Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Aos pés de seu herói
RIO DE JANEIRO - Leio no jornal que certa beldade, cujo nome me escapa e cuja cor dos olhos desconheço, reluta em posar...
Leitor conta drama para ser atendido no Hospital das Clínicas
Toda esta burocracia demonstra que cidadãos honestos, pagadores fiéis de impostos, como eu, não tem acesso fácil ao...
veja mais

 

11/06/2008 - Vantagens da guarda compartilhada

Publicado em 11/06/2008 | Renata Santos Barbosa Catão 
 
Com a disposição do Código Civil, os pais hoje concorrem em iguais condições pela guarda dos filhos. Determina a lei que, não apresentando o casal acordo com relação à guarda dos filhos, o juiz a deferirá àquele que “revelar melhores condições para exercê-la”. Isso é o que ocorre, geralmente, em ações de separação litigiosa. Tendo em vista a falta de acordo dos pais, o juiz assume a responsabilidade de definir a guarda e o regime de visitas que será adotado no caso concreto. O juiz poderá, ainda, chegar à conclusão de que nenhum dos pais detém condições para cuidar dos filhos, deferindo a guarda a um terceiro, observando o grau de parentesco mais próximo e o bem-estar da criança.

Quando estamos diante de uma ação de separação consensual, o quadro modifica-se completamente. Nesses casos, o casal apresenta ao juiz os termos da separação, incluindo acordo referente à separação de bens, alimentos e a guarda dos filhos. O mais comum é nomear o pai ou a mãe guardião dos filhos, restando ao outro o direito à visitação da forma que restar pactuada, é a chamada “guarda unilateral”. Assim, aquele que não detém a posse dos filhos permanecerá com o dever/direito de fiscalizar a educação e formação dos mesmos, porém terá uma participação menor em razão da distância física.

Por isso é que, visando atender melhor às necessidades dos filhos, bem como permitir a presença efetiva dos pais, durante todo o seu desenvolvimento, surgiu a figura da “guarda compartilhada”. A guarda compartilhada é aquela em que ambos os pais, mesmo separados judicialmente, detêm a guarda dos filhos, de forma a permitir a efetiva participação dos dois na vida deles, possibilitando manter a mesma relação íntima que tinham com os filhos à época em que eram casados.

Frise-se: a separação é somente dos pais, portanto, quanto menos esse fato alterar a vida dos filhos, melhor será para todos. As funções de pai e de mãe são específicas de cada um e, pelo bem dos filhos, devem continuar sendo exercidas por quem de direito. Nessa forma de guarda, não existirão regras específicas, com horários pré-estabelecidos para visitas. Aquele que não residir com os filhos, poderá vê-los a qualquer momento, desde que respeitando os horários que fazem parte do dia-a-dia da criança (como escola, atividades extracurriculares, etc.). Com relação à residência dos filhos existem discussões a respeito.

 Alguns admitem que eles devam morar efetivamente com um dos pais, outrosadmitem períodos com um e com outro. Porém o importante é preservar o bom desenvolvimento dos filhos e contato com o pai e a mãe. Ou seja, deve prevalecer a regra do bom senso.
Para que permaneça a harmonia de todos, e a guarda compartilhada atinja a sua finalidade, é importante também que o ex-casal saiba respeitar a individualidade e a privacidade do outro, bem como que cada um cumpra com seus deveres, pois, mesmo adotando-se esse tipo de guarda, permanece a responsabilidade alimentar dos pais. Assim, sendo necessária, haverá da mesma forma a fixação de pensão alimentícia.

Evidentemente, não é possível aplicar a modalidade da guarda compartilhada em todos os casos de separação. É necessário analisar cada caso concreto de forma cuidadosa, afinal, a guarda compartilhada exige um ambiente harmonioso entre o ex-casal, que deve optar por esse regime, se assim for o melhor para seus filhos. Com a aprovação do projeto de lei que criou o regime da guarda compartilhada, o juiz poderá acolher o pedido de um dos cônjuges para que a guarda dos filhos seja feita sob essa modalidade, se o magistrado assim entender que as crianças estarão melhor protegidas dessa forma, independentemente da falta de consenso dos pais.

Em casos determinados poderá ser necessário um estabelecimento de regras mínimas, mas que não se confundem com a rigidez do regime da guarda unilateral.
A guarda compartilhada já faz parte da legislação de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, em alguns estados, a guarda unilateral é exceção, devendo o juiz justificar uma decisão na qual deixou de determinar o regime compartilhado.

Certamente, com a previsão da guarda compartilhada no ordenamento jurídico, haverá um melhor aproveitamento do instituto, fazendo prevalecer o interesse dos filhos e não dos pais, que, na maioria dos casos de separação litigiosa, acabam por confundir as questões utilizando-se, não raras vezes, dos filhos como troféu, independentemente do bem-estar deles.
Renata Santos Barbosa Catão é advogada.


Gazeta do Povo – 11.06.2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Divórcio: mediação familiar como método alternativo
A utilização da mediação no âmbito das relações de família é uma antiga reivindicação. Poder lançar mão dos métodos alternativos de solução de conflitos proporciona benefícios a todos
Caso de traição conjugal resulta em condenação por danos morais
A 4ª câmara de Direito Civil do TJ/SC, em apelação sob relatoria do desembargador Luiz Fernando Boller, manteve sentença que condenou uma esposa ao pagamento de indenização por danos morais em favor do marido traído. O valor arbitrado em 1º grau, de R$   10
O que é determinante para um relacionamento dar certo?
PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA, CLIQUE NO TÍTULO
Novas fórmulas de casamento ajudam a evitar o divórcio
PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA, CLIQUE NO TÍTULO
Família - Guarda dos filhos tem novo perfil
Nas últimas duas décadas, a Justiça brasileira mudou a forma como decide sobre a guarda dos filhos de casais divorciados. Em 1984, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 12% dos casos os homens ficavam com a guarda. O índice
Lei de Alienação Parental completa um ano e merece comemoração
Dá-se o nome de alienação parental às estratégias do pai ou da mãe que desejam afastar injustificadamente os filhos do outro genitor, ao ponto de desestruturar a relação entre eles (Regina Beatriz Tavares da Silva, Curso de Direito Civil, vol. 2, Direito
Aspectos Jurídicos da Infidelidade Conjugal pela Internet
A revista Veja (edição 2.227, de 27.07.2011) trouxe uma reportagem sobre o assunto, sob o título "Clique, clique, clique... E lá se vai a fidelidade conjugal", informando que muitas pessoas comprometidas estão fazendo sexo pela internet. Numa análise feit
Terreno adquirido durante namoro deve ser dividido pelo casal
PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA, CLIQUE NO TÍTULO
Casamento homoafetivo, mesmo sem lei, já é realidade
A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em maio de 2011, reconheceu a possibilidade de casais homossexuais estabelecerem união estável. Tal decisão, por seu efeito vinculante, obrigou todos os julgadores a decidirem da mesma forma. Assim, as uniões h
Exoneração de alimentos a ex-cônjuge não depende apenas de condição econômica
A exoneração do pagamento de pensão alimentícia devida a ex-cônjuge é possível mesmo sem ter havido alteração na condição econômica dos envolvidos. Ao julgar dois processos semelhantes, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concluiu que o

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 6 de um total de 46 páginas

InícioAnterior123456789101112131415PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover