Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


FUNDAÇÃO TEATRO GUAIRA DESRESPEITA ¨ ESTATUTO DO IDOSO ¨ , MAS MINISTÉRIO PÚBLICO TOMA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS.
PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA, CLIQUE NO TÍTULO
Uma instituição em desuso
No Japão o ministro incompetente vai à tv e se auto-humilha quando não se suicida. Na China funcionários omissos ou...
veja mais

 

11/06/2008 - Vantagens da guarda compartilhada

Publicado em 11/06/2008 | Renata Santos Barbosa Catão 
 
Com a disposição do Código Civil, os pais hoje concorrem em iguais condições pela guarda dos filhos. Determina a lei que, não apresentando o casal acordo com relação à guarda dos filhos, o juiz a deferirá àquele que “revelar melhores condições para exercê-la”. Isso é o que ocorre, geralmente, em ações de separação litigiosa. Tendo em vista a falta de acordo dos pais, o juiz assume a responsabilidade de definir a guarda e o regime de visitas que será adotado no caso concreto. O juiz poderá, ainda, chegar à conclusão de que nenhum dos pais detém condições para cuidar dos filhos, deferindo a guarda a um terceiro, observando o grau de parentesco mais próximo e o bem-estar da criança.

Quando estamos diante de uma ação de separação consensual, o quadro modifica-se completamente. Nesses casos, o casal apresenta ao juiz os termos da separação, incluindo acordo referente à separação de bens, alimentos e a guarda dos filhos. O mais comum é nomear o pai ou a mãe guardião dos filhos, restando ao outro o direito à visitação da forma que restar pactuada, é a chamada “guarda unilateral”. Assim, aquele que não detém a posse dos filhos permanecerá com o dever/direito de fiscalizar a educação e formação dos mesmos, porém terá uma participação menor em razão da distância física.

Por isso é que, visando atender melhor às necessidades dos filhos, bem como permitir a presença efetiva dos pais, durante todo o seu desenvolvimento, surgiu a figura da “guarda compartilhada”. A guarda compartilhada é aquela em que ambos os pais, mesmo separados judicialmente, detêm a guarda dos filhos, de forma a permitir a efetiva participação dos dois na vida deles, possibilitando manter a mesma relação íntima que tinham com os filhos à época em que eram casados.

Frise-se: a separação é somente dos pais, portanto, quanto menos esse fato alterar a vida dos filhos, melhor será para todos. As funções de pai e de mãe são específicas de cada um e, pelo bem dos filhos, devem continuar sendo exercidas por quem de direito. Nessa forma de guarda, não existirão regras específicas, com horários pré-estabelecidos para visitas. Aquele que não residir com os filhos, poderá vê-los a qualquer momento, desde que respeitando os horários que fazem parte do dia-a-dia da criança (como escola, atividades extracurriculares, etc.). Com relação à residência dos filhos existem discussões a respeito.

 Alguns admitem que eles devam morar efetivamente com um dos pais, outrosadmitem períodos com um e com outro. Porém o importante é preservar o bom desenvolvimento dos filhos e contato com o pai e a mãe. Ou seja, deve prevalecer a regra do bom senso.
Para que permaneça a harmonia de todos, e a guarda compartilhada atinja a sua finalidade, é importante também que o ex-casal saiba respeitar a individualidade e a privacidade do outro, bem como que cada um cumpra com seus deveres, pois, mesmo adotando-se esse tipo de guarda, permanece a responsabilidade alimentar dos pais. Assim, sendo necessária, haverá da mesma forma a fixação de pensão alimentícia.

Evidentemente, não é possível aplicar a modalidade da guarda compartilhada em todos os casos de separação. É necessário analisar cada caso concreto de forma cuidadosa, afinal, a guarda compartilhada exige um ambiente harmonioso entre o ex-casal, que deve optar por esse regime, se assim for o melhor para seus filhos. Com a aprovação do projeto de lei que criou o regime da guarda compartilhada, o juiz poderá acolher o pedido de um dos cônjuges para que a guarda dos filhos seja feita sob essa modalidade, se o magistrado assim entender que as crianças estarão melhor protegidas dessa forma, independentemente da falta de consenso dos pais.

Em casos determinados poderá ser necessário um estabelecimento de regras mínimas, mas que não se confundem com a rigidez do regime da guarda unilateral.
A guarda compartilhada já faz parte da legislação de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, em alguns estados, a guarda unilateral é exceção, devendo o juiz justificar uma decisão na qual deixou de determinar o regime compartilhado.

Certamente, com a previsão da guarda compartilhada no ordenamento jurídico, haverá um melhor aproveitamento do instituto, fazendo prevalecer o interesse dos filhos e não dos pais, que, na maioria dos casos de separação litigiosa, acabam por confundir as questões utilizando-se, não raras vezes, dos filhos como troféu, independentemente do bem-estar deles.
Renata Santos Barbosa Catão é advogada.


Gazeta do Povo – 11.06.2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Caminhos opostos - Lei aumenta em 79% os pedidos de divórcio
Um ano depois da aprovação da chamada nova Lei do Divórcio, que reduziu prazos para o processo de separação matrimonial, a quantidade de pedidos desse tipo teve aumento de 79% em Curitiba. Os divórcios saltaram de 1.509, nos 12 meses anteriores à legislaç
Pensão prestada pelos avós: uma obrigação subsidiária, não solidária
Rompimento legal e definitivo do vínculo de casamento civil, o divórcio é matéria comum nos dias de hoje. De acordo com o estudo Síntese de Indicadores Sociais 2010, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de separaçã
União homoafetiva e insubordinação judicial
A decisão do STF reconheceu o direito aos casais homossexuais à união estável; a Suprema Corte deu interpretação conforme a Constituição Federal para excluir qualquer significado do artigo 1.723 do Código Civil que impeça o reconhecimento da união entre p
Justiça - Juiz anula união gay e contraria posição do STF
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux considerou um “atentado” ao Supremo a decisão do juiz Jerônymo Pedro Villas Boas que anulou a união estável de um casal homossexual de Goiânia. “Se ele [o juiz] foi contra ao entendimento do Supremo Tr
Adoção na união homoafetiva
A adoção por casais homoafetivos é bastante polêmica na atualidade e não há como chegar a um entendimento definitivo a respeito dessa questão sem antes compreender o tratamento jurídico que deve ser dado à união entre pessoas do mesmo sexo, ou seja, se es
Direitos de casais homossexuais e a adoção
A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que equiparou a união de pessoas do mesmo sexo às uniões estáveis heterossexuais já surtiu efeitos, servindo como base para julgamento proferido pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) que concedeu a ca
Infância: proposta regulamenta atuação do MP na defesa do direito à convivência familiar
A conselheira Sandra Lia, presidente da Comissão de Infância e Juventude do CNMP, apresentou na sessão dessa terça-feira, 17 de maio, proposta de resolução sobre a atuação de membros do Ministério Público na defesa do direito à convivência familiar e comu
alienação parental - mãe poderá perder guarda do filho por não deixar ex-marido ver o filho
Para visualizar a matéria na íntergra, clique no título.
MARIDO DESNATURADO PASSAR BENS PARA O NOME DO IRMÃO PARA PREJUDICAR ESPOSA
Para visualizar a matéria, clique no título
EU E MEU FILHO FOMOS ABANDONADO. QUAIS SÃO NOSSOS DIREITOS?
para visualizar a matéria, clique no título

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 7 de um total de 46 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover