Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


LEITOR RECLAMA DO CONVÊNIO SAMCIL
O mecânico Edvaldo Rodrigues de Oliveira se diz insatisfeito com relação ao convênio médico Samcil. "Estou odiando os...
Positivo vence primeira disputa de laptop popular
A Positivo Informática venceu ontem a primeira etapa do pregão eletrônico do Fundo Nacional de Desenvolvimento da...
veja mais

 

16/12/2011 - Crianças e adolescentes, sujeitos de direitos

Proibir os tratamentos cruéis na educação de crianças e de adolescentes será mostra de que efetivamente desejamos tratá-los como seres humanos

Bater não educa e é uma violação dos direitos humanos. O uso de força física e de atos degradantes tem o efeito perverso de fragilizar os vínculos de autoridade e afeto, muito mais do que corrigir pedagogicamente condutas desviantes.

É consenso que crianças e adolescentes devem ser educados e protegidos; que o diálogo é melhor que o conflito; que as experiências na infância determinam a personalidade; e que maltratar crianças é um abuso e é desproporcional.

Mas, ao mesmo tempo em que vemos crianças e adolescentes como seres humanos e portadores de direitos, toleramos que sejam agredidas. Oitenta por cento das violências ocorrem em casa. Menores infratores comumente apanham ou são humilhados.

É incômodo constatar que os excessos são frequentes e graves.

Nos últimos meses, foi debatido intensamente o projeto de lei que propõe a proibição do uso de castigos corporais ou tratamentos cruéis ou degradantes na educação de crianças e adolescentes, chamado por alguns de "Lei da Palmada".

Após ouvir especialistas, governo e sociedade, apresentamos um substitutivo ao projeto de lei nº 7.672/2010, aperfeiçoando-o.

Ele foi revisado para que guardasse estrita concordância com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Fortalecemos a natureza preventiva da lei, propondo ações de educação e orientação, bem como a garantia de uma linha de cuidados multidisciplinares para vítimas e vitimizadores. Indicamos como responsabilidade dos três níveis de governo a articulação para o planejamento e atuação intersetorial, na perspectiva da promoção social e da resolução pacífica de conflitos.

Especial atenção foi dada ao desenvolvimento nos agentes públicos das competências necessárias para promoção, proteção, defesa de direitos e enfrentamento de todas as formas de violência.

Pretende-se proteger o agente público qualificando-o, e assim prevenir erros e abuso de autoridade. Também pretende-se responsabilizar possíveis omissões.

Não acrescentamos novas hipóteses de responsabilização criminal de agressores. São previstas medidas educativas e terapêuticas, além de advertência, de acordo com a gravidade do caso. O agressor deve ter a oportunidade de rever seu comportamento. Em casos extremos, permanecem inalterados os crimes já previstos legalmente.

Acrescentamos, nos ensinos fundamental e médio, como tema transversal, a educação para os direitos humanos e a prevenção de violências, base para uma formação orientada para uma cultura de paz. Não é proposta a intervenção do Estado na família ou a invasão dos lares por forças policiais, mas a educação para o não uso de qualquer forma de violência e seus benefícios na formação e no crescimento da pessoa.

A expressa proibição de castigos corporais e tratamentos cruéis ou degradantes na educação de crianças e adolescentes atende à Convenção dos Direitos da Criança e será demonstração de que desejamos tratá-los, efetivamente, como seres humanos e sujeitos de direitos.

TERESA SURITA é deputada federal (PMDB-RR) e relatora do projeto de lei nº 7.672/2010

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. debates@uol.com.br

Comente esta matéria. Preencha o formulário: “Faça sua reclamação” aqui no site www.reclamando.com.br ou envie e-mail para: espírito_santo@uol.com.br

Folha de São Paulo - 13-12-2011

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Folha de São Paulo
Imprimir   enviar para um amigo
Quesito técnico - Não é irregular negar apresentação de provas ao Júri
Juiz que nega apresentação de provas ao Tribunal do Júri não comete irregularidade. Isto, quando se tratar de quesitos técnicos levantados pela defesa do acusado
Pausa para almoço - Interrupção de sustentação da defesa anula julgamento
A interrupção da sustentação oral da defesa diante do Tribunal do Júri configura constrangimento ilegal e é motivo para anulação do julgamento.
Gravação clandestina com fins de defesa é prova legítima
Para o Supremo Tribunal Federal, gravar clandestinamente uma conversa para se proteger não é prova ilícita.
Crime sem perdão - Casar com vítima menor não livra estuprador da culpa
Por maioria de votos, os ministros do Supremo Tribunal Federal decidiram que a união estável entre ofensor e vítima, em caso de estupro, não é suficiente para a extinção da punibilidade.
AGRESSÃO REITERADA CONTRA FILHO É CRIME DE TORTURA
Pai que reiteradamente agride, queima com cigarro, ameaça de morte, causando ao filho intenso sofrimento físico, moral e psicológico, pratica crime de tortura e não de maus tratos.
Gravidade do delito não justifica prisão preventiva
A gravidade do delito não é motivo para decretação de prisão preventiva
Chamar homem de negrão não configura racismo
Chamar um homem negro de “negrão” não caracteriza preconceito racial nem gera danos morais por se tratar de uma característica física, sem conotação pejorativa
MENORES ATROPELADOS AO ATRAVESSAR A VIA PÚBLICA POR VEÍCULO QUe NELA TRAFEGA V A. CULPA DO MOTORISTA DO VEICULO ATROPELADOR
Responsável penalmente o motorista que ao se aproximar de coletivo parado em ponto de ônibus, para embarque e desembarque de passageiros, não reduz a marcha do veí­culo
Absolvição em processo criminal não enseja dano moral.
Uma comprovação de má-fé ou culpa, que se atribuem à conduta caluniosa, por parte do denunciante, a absolvição em processo criminal não é motivo suficiente para ensejar indenização por dano moral.
Portar arma de fogo sem munição é crime.
O porte de arma de fogo, mesmo sem munição, é crime. A conclusão é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 183 de um total de 183 páginas

InícioAnterior174175176177178179180181182183

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover