Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Perguntas dos internautas - 15/11/2007
Reclamação: Tenho uma filha de 08 anos no primeiro casamento, recebo 200,00 de ajuda, quero oficializar judicialmente a...
Coluna do Leitor – Opinião de Leitores da Gazeta do Povo
Na reportagem “Bitucas causam dano ambiental”, a Gazeta do Povo dá a entender que os fumantes, com a nova lei antifumo,...
veja mais

 

02/07/2009 - A tipificação do sequestro relâmpago no ordenamento jurídico do Brasil

Juliana Caramigo

 

No dia 17/4/2009, o presidente da República sancionou a Lei 11.923/09 que torna típica a figura do sequestro relâmpago.

A legislação insere um novo parágrafo (3.º) no artigo 158, do Código Penal, que prevê a conduta do crime de extorsão.

O legislador teve por objetivo dirimir as questões jurídicas acerca do correto enquadramento legal do sequestro relâmpago.

Todavia, essas divergências não foram totalmente afastadas. O sequestro relâmpago, até então, não era tipificado como infração penal.

No entanto, o Estado passou a reprimir tal conduta, utilizando-se de outros dispositivos previstos na legislação penal, o que ocasionou uma discussão acerca do correto enquadramento legal dessa modalidade.

Com a inserção do inciso V, no parágrafo 2.º, do artigo 157, do Código Penal, pela Lei 9.426/96, criou-se nova causa de aumento de pena no crime de roubo, consistente no aumento de 1/3 a 1/2 quando a vítima sofrer privação de sua liberdade pelo agente que pratica a conduta descrita no caput do artigo 157.

Com isso, surgiram três correntes acerca da tipificação do sequestro relâmpago: a) crime de extorsão - artigo 158; b) crime de extorsão mediante sequestro - artigo 159; e c) crime de roubo com aumento de pena artigo 157, parágrafo 2.º, inciso V. No entanto, diante da nova legislação, a discussão se tornou superada.

O parágrafo 3.º do artigo 158 qualifica o crime de extorsão, tendo em vista a privação da liberdade, com reclusão de 6 a 12 anos e multa. Se da ação resultar lesão grave ou morte da vítima, as penas são agravadas de 16 a 20 anos e de 24 a 30 anos, respectivamente.

O legislador, contudo, não levou em conta a valoração de outras condutas típicas previstas na legislação penal, tão graves quanto o sequestro relâmpago, descrevendo uma sanção penal desproporcional ao sistema.

Por exemplo: crime de homicídio (artigo 121 do Código Penal), cujo bem jurídico tutelado é a vida na sua forma mais simples, possui a mesma pena da nova figura penal, ou seja, reclusão de 6 a 12 anos.

Se a intenção do legislador era a de reprimir tal conduta com penas mais graves, por que não manter a redação prevista no inciso V, parágrafo 2.ª do artigo 157, crime de roubo agravado pela privação de liberdade da vítima, utilizado pelos julgadores para processar e julgar os autores do sequestro relâmpago, cuja pena era a de reclusão de 8 a 15 anos, ou seja, pena maior que a da nova figura típica?

Outra crítica à nova legislação é pelo fato do sequestro relâmpago não ser considerado crime hediondo por falta de previsão da Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90), beneficiando o agente, diferente do que ocorria antes da edição da lei, onde o sequestro relâmpago podia ser enquadrado como extorsão mediante sequestro, previsto no artigo 159 do C.P, e era considerado como hediondo, conforme a Lei 8.072/90.

Mesmo com a nova tipificação, algumas questões sobre o tema suscitarão embates no meio jurídico. Resta-nos aguardar como a questão será tratada nos tribunais, até porque já havia posição consolidada acerca da punição do sequestro relâmpago como crime antes mesmo da sua expressa tipificação.

Juliana Caramigo é advogada da Gregori Capano Advogados Associados, especialista em Direito e Processo Penal, Mestre em Direito Político e econômico e Professora Convidada do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Direito e Processo Penal na Universidade Presbiteriana Mackenzie. www.gregoricapano.com.br

O Estado do Paraná – 21-06-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
LEI ANTICORRUPÇÃO - LEI Nº 12.846, DE 1º DE AGOSTO DE 2013.
LEI ANTICORRUPAÇÃO ENTRA EM VIGOR HOJE (29/01/2014)
Juíza nega ter liberado bebidas nos estádios
Dessa forma, a proibição nos estádios está mantida - com exceção da Copa do Mundo, quando por questões processuais com patrocinadores da Fifa, será liberada a cerveja.
Bruno Langeani e Marcello Baird: Os dez anos do Estatuto do Desarmamento
Fruto da mobilização de diferentes setores da sociedade, o Estatuto do Desarmamento completou dez anos em dezembro de 2013 e ainda causa um sentimento paradoxal.
Bibinho é condenado a quase 19 anos de prisão pelo caso dos Diários Secretos
Quatro anos após a revelação do escândalo de desvio de dinheiro da Assembleia, Justiça condena o chefe do esquema. Ex-diretor-geral do Legislativo pode recorrer em liberdade
Justiça julga só 50% de crimes contra a administração pública e de improbidade
Por outro lado, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), que abarca São Paulo e Mato Grosso do Sul, conseguiu julgar 4.828 dos 5.558 processos distribuídos até o final de 2011, atingindo a marca de 86,87% da meta. Além do TRF3, os tribunais region
Barbosa autoriza prisão domiciliar temporária para Genoino
Condenado a 6 anos e 11 meses de prisão no processo do mensalão, Genoino está desde o dia 25 de novembro, quando recebeu alta do IC-DF, na casa de um familiar, em Brasília 27/12/2013 | 20:45 | FOLHAPRESS
Inês Prado Soares e Renan Quinalha: A tortura no banco dos réus
Nos dias 9, 10 e 11 de dezembro foram realizadas audiências para ouvir as testemunhas de acusação na ação que o Ministério Público Federal (MPF) move contra Carlos Alberto Brilhante Ustra, Carlos Alberto Augusto e Alcides Singilo, agentes públicos a servi
Sérgio Fernando Moro: DNA de criminosos
A partir da década de 90, aprofundou-se a utilização de testes genéticos na investigação criminal. Resíduos biológicos encontrados nas cenas dos crimes passaram a ser recolhidos e examinados, deles extraindo-se o perfil genético do titular, com o propósit
EDITORIAL O aborto e o Código Penal
Comissão de senadores freou a tentativa de legalizar o aborto até a 12ª semana, como queriam os juristas que elaboraram o novo Código
Liminar mantém Edgar Bueno no cargo de prefeito de Cascavel
Lemos ganhou direito de resposta no programa eleitoral, mas em primeira instância não viu prosperar sua ação. No programa eleitoral de rádio e TV, Bueno acusou Lemos de ter residência fixa em Curitiba e forjar a compra de um apartamento para justificar su

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 9 de um total de 183 páginas

InícioAnterior123456789101112131415161718PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover