Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Conta telefônica traz seguro de falecida
As duas últimas contas de telefone fixo da Brasil Telecom só trouxeram surpresas ruins ao aposentado Ary Ullmann, de...
Diagnóstico da OAB/PR sobre o Poder Judiciário 2007
Diagnóstico refere-se a discernimento, ação e faculdade de discernir, conhecer(1). A expressão é mais utilizada pela...
veja mais

 

05/11/2009 - Aluna hostilizada na Uniban diz que professores participaram

 

Estudante perseguida por usar vestido curto afirma ter "parcela de culpa" no episódio

CRISTINA MORENO DE CASTRO - COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

JAMES CIMINO - DA REPORTAGEM LOCAL

Hostilizada por colegas da Uniban (Universidade Bandeirante de São Paulo) por causa de um vestido curto, a estudante de turismo Geyse Arruda, 20, afirmou ontem na TV que professores e funcionários também participaram do tumulto.

"Os seguranças da faculdade, no começo, estavam rindo", disse. "Como um aluno vai ter atitude decente se os próprios professores e funcionários apoiam [as hostilidades]?"

Geyse deu entrevista de cerca de duas horas ao programa "Geraldo Brasil", da Record, no dia em que deveria depor na sindicância interna aberta para apurar o caso. A universidade não se manifestou ontem.

No programa, Geyse chorou e relatou sua versão da noite em que teve de sair escoltada por PMs para se proteger de cerca de 700 alunos "descontrolados". Ao fim da atração, trocou a blusa preta de manga comprida e o jeans que usava pelo vestido rosa-choque que causou a confusão. Antes, recusou três vezes o pedido do apresentador Geraldo Luís.

A jovem também assumiu parte da culpa pelo tumulto. "Posso ter errado por ter ido com o vestido. Mas o ato de vandalismo que fizeram comigo não se faz com ninguém."

Ela disse que volta ao curso na terça-feira, "não para afrontar ou causar polêmica".

Quando o apresentador perguntou por que Geyse só usava esse tipo de roupa, ela respondeu: "Acho que um vestido em uma mulher é extremamente feminino. Minha roupa só diz respeito a mim, respeito todo mundo e quero ser respeitada".

Ela foi comparada pelo apresentador a Maria Madalena. Rafael Bruno, 22, do curso de administração da Uniban, fez analogia similar. "Parecia uma igreja evangélica cheia de fanáticos. A hipocrisia era igual."

Alunos do mesmo campus onde Geyse estuda concordam que a universidade não soube controlar o tumulto.

Renato Di Giacomo, 23, estudante de logística, diz que a jovem deveria ter sido barrada na entrada por estar usando "trajes inapropriados".

Thaiza Andreone, 22, do curso de administração, comenta que faltou pulso firme. "Foi uma reação em cadeia provocada pelos próprios alunos. Toda hora chegava alguém na minha sala para falar da saia da menina. Imagine o que vão pensar desta universidade, onde os alunos tomam conta desse jeito? Parece colégio..."

Thaiza diz que Geyse não é a única a usar roupas "ousadas" na faculdade. "Sempre tem umas meninas de top. Eu mesma uso minissaia e vestido curto, então isso tudo é uma tremenda hipocrisia."

Folha de São Paulo – 31-10-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Folha de São Paulo
Imprimir   enviar para um amigo
DIPLOMA FALSO DO MINISTRO DO PT
ACORDA BRASIL
Padre pede que STF defenda direitos de nascituros contra 'pressões externas'
Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo.
Joaquim Barbosa e a diferença entre elisão e evasão
Do ponto de vista tributário, no primeiro caso (compra de ações), os tributos incidirão sobre a transferência das ações. No segundo caso, sobre a transferência dos ativos.
Recuperação judicial não é calote
A lei confere à empresa em crise a possibilidade de, na prática, apresentar a proposta que melhor se encaixe nas suas possibilidades, sendo vedadas, naturalmente, propostas ilegais ou que prejudiquem algum dos credores.
Governo vai montar 'gabinete digital' para as redes sociais
Segundo a Folha apurou, o objetivo é abastecer o mundo cibernético com dados oficiais; monitorar e pautar o debate virtual;
A (in)capacidade do Código Civil de acompanhar as mudanças sociais
A entrevista desta edição é com o novo presidente do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF 4), Tadaaqui Hirose, que assume o cargo hoje.
Código Civil completa uma década entre avanços e retrocessos
Além da falta de distinção dos direitos de personalidade nos meios eletrônicos, as relações contratuais e empresariais da modernidade também são lacunas deixadas pelo atual Código Civil brasileiro, segundo os juristas consultados pela reportagem.
Até onde vai o direito de se recordar o passado
A edição ainda traz artigos de diferentes temáticas. O texto dos advogados Rosane Menezes Lohbauer e Rodrigo Sarmento Barata aborda a falta de parcerias público-privadas na área de transporte público.
Os limites do direito de ser esquecido
Para a professora Vera Karam é um excesso que o esquecimento tenha estatuto de direito, pois ele já estaria envolto nos direitos de personalidade.
Cidadão pode recorrer à Justiça para defender a comunidade
Quando se decide levar situações de irregularidade ao Ministério Público, também é preciso que os elementos das denúncias sejam consistentes.

Total de Resultados: 873

Mostrando a página 4 de um total de 88 páginas

InícioAnterior12345678910111213PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover