Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Começa a faltar dinheiro nos caixas eletrônicos
Começou a faltar dinheiro ontem nos caixas eletrônicos de diversos bancos do Paraná. Nos terminais externos – situados...
Hospital Universitário de Londrina apresenta superlotação
O Hospital Universitário (HU) de Londrina começou a semana, mais uma vez, com superlotação. Apesar de ter fechado o dia...
veja mais

 

29/03/2012 - Quando menos é mais

Por décadas, representamos um cargo, uma autoridade, uma posição social. Fizemos isso por tanto tempo que acabamos confundindo nosso ser com nosso fazer, nosso eu com nosso papel profissional

A aposentadoria é, em nossa cultura, um assunto polêmico.

Para alguns, é vida boa, férias, tempo livre para ler, brincar, namorar.

Para outros, um horror, causado pela perda da rotina do trabalho, da utilidade social, do poder. Uma chatice, que se resume a um par de chinelos, um pijama e nada para fazer.

De fato, ela pode ser uma coisa ou outra, ou ainda nenhuma delas.

A suprema pretensão dos homens, aposentados ou não, sempre foi e sempre será a felicidade. Trabalho, férias, atividades diversas, convívio, são caminhos que usamos, às vezes sem sucesso, na incansável busca de uma vida feliz.

“A principal verdade da arte de ser feliz continua sendo a de que tudo depende muito menos daquilo que se tem ou representa do que daquilo que se é.” (Arthur Schopenhauer).

Não há dúvida de que se aposentar significa abrir mão de grande parte daquilo que se tem e principalmente daquilo que se representa. É a hora de ser o que se é.

Por décadas, representamos um cargo, uma autoridade, uma posição social. Fizemos isso por tanto tempo que acabamos confundindo nosso ser com nosso fazer, nosso eu com nosso papel profissional.

De repente, a representação chega ao fim. Cansados, estamos sós, com o dia todo livre, para uma conversa tão íntima que não admite interlocutor.

Se não temos um eu, bem estruturado e independente do papel que desempenhamos, a aposentadoria pode ter o gosto amargo de nosso próprio velório, ao qual, já profissionalmente invisíveis, somos obrigados a assistir calados. Não é sem razão que muitos fazem como os imperadores, só deixam o cargo que ocupam quando morrem de fato.

A maioria das pessoas que nos rodeia é de pouca ajuda nessa hora. Olham para nós como se fôssemos um espírito desencarnado e nos perguntam: “Então, como está se sentindo?”. A verdade é que essa maioria não nos conhecia. Antes, conhecia o papel que representávamos e que eles temiam ou admiravam.

Os amigos de infância e de adolescência são especiais, pela boa razão de que lá não representávamos nenhum papel, simplesmente éramos nós por inteiro e só por isso éramos amados.

O tempo passou, os cabelos estão brancos, o corpo espelha a jornada, a espontaneidade da infância ficou pelo caminho. Apesar das mudanças, a vida insiste em nos oferecer mais tempo para a busca do bem supremo, a felicidade. Alguns dizem que nunca a encontraremos, pois ela seria não um lugar, mas o próprio caminho.

Aposentados ilustres vêm ao nosso encontro. Agnes Repplier nos saúda com um conselho: “Não é fácil encontrar a felicidade em nós mesmos e é impossível encontrá-la em outro lugar”.

Fernando Pessoa diz se chamar Ricardo Reis e nos recita versos:

“Ah, não consegues contra o adverso muito; Criar mais que propósitos frustrados! Abdica e sê Rei de ti mesmo.”

Sophya Breyner, com um sorriso nos lábios, nos dá boas-vindas ao real: “O passado se rende; o presente o devora”.

São tantos, aposentados imortais, que nos conhecem tão bem sem nunca nos terem visto, que sorrimos felizes.

Libertos dos compromissos e obrigações inerentes ao papel que desempenhamos, leves e soltos nos entregamos a um novo tempo. Um tempo de criar, de fazer, sobretudo de ser, não por obrigação, mas pelo puro prazer de estar vivo e reencontrar a espontaneidade que foi dádiva perdida, mas que agora é conquista. Cessa o papel que representávamos, resta a vida, simples, sem mistificações.

Oriovisto Guimarães, membro da Academia Paranaense de Letras, foi presidente do grupo Positivo por 40 anos.

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1237014&tit=Quando-menos-e-mais

Comente esta matéria. Preencha o formulário: “Faça sua reclamação” aqui no site www.reclamando.com.br ou envie e-mail para: espírito_santo@uol.com.br

Gazeta do Povo – 24-03-2012

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Desaposentação
Desaposentação O que é? Como o tema vem sendo tratado? Você tem direito? Salvar • 95 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Victor Wakim Baptista - 2 dias atrás 67 Desaposentao Imagem: Arte/UOL O presente artigo, voltado especialmen
Saída de Barbosa gera debate sobre perdas com aposentadorias ‘precoces’
Carlos Humberto/STF / Barbosa: ministro deve se dedicar à vida acadêmica e dar palestras Barbosa: ministro deve se dedicar à vida acadêmica e dar palestras DISCUSSÃO Saída de Barbosa gera debate sobre perdas com aposentadorias ‘precoces’ Ministro irá
Previdência privada: avanços e precauções
artigo Previdência privada: avanços e precauções Publicado em 19/05/2014 | Melissa Folmann E o brasileiro descobriu a previdência! Esta é a constatação quando se analisa o cenário econômico e social do Brasil nos últimos 10 anos. Isso porque fo
Auxílio-doença dispara e eleva rombo na PrevidênciaGUSTAVO PATU
A Folha questionou o Ministério da Previdência sobre a evolução recente do programa, mas não houve resposta
Aposentadorias achatadas
Outros, desinformados ou preguiçosos, se acomodam. Para estes, um alerta: a preguiça caminha tão lentamente que a pobreza não precisa se esforçar muito para alcançá-la.
Senado aprova atendimento domiciliar do INSS a idosos doentes
Rebecca Garcia disse que, como a legislação brasileira concede aos idosos benefícios como isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para aquisição de veículos
SUS desativou quase 13 mil leitos entre 2010 e 2014
No estado do Rio de Janeiro, 4.621 leitos foram desativados desde 2010. No Nordeste, a maior queda foi no Maranhão (-1.181).
STJ aprova troca de aposentadoria sem devolução de valores pagos
O tribunal também entendeu que o aposentado que pedir o novo benefício não precisa devolver os valores já recebidos.
Pouco equipado, SUS atende 80% da demanda
O presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Luis Eugenio Portela, acredita que a falta de médicos não se trata especificamente da falta de equipamentos, mas também das condições de trabalho.
Aposentadoria especial para quem?
Logo, os profissionais acima citados, bem como aqueles que trabalharam 25 anos expostos a agentes insalubres, conseguem se aposentar com menor tempo e com uma aposentadoria mais benéfica, independentemente da idade.

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 1 de um total de 36 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover