Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Presidente Dilma veta principais pontos do "Ato Médico"
As justificativas apontam, em todos os casos, para impactos negativos no SUS, citando obstáculos para o programa...
A GRAXA NA CÂMARA:
Acredite se quiser, o presidente da Câmara Federal, Deputado Arlindo Chinaglia ( PT - SP) , quer todos os parlamentares,...
veja mais

 

14/12/2009 - Aposentadorias podem ter aumento de 7,72% em 2010

Se proposta vingar, projeto prevendo reajuste igual ao mínimo será enterrado

DO "AGORA"

O governo acenou com um aumento para os aposentados de até 7,72% para o ano que vem. O objetivo é garantir que a emenda ao projeto de lei nº 1/ 2007, que concede para as aposentadorias o mesmo reajuste do salário mínimo, seja definitivamente enterrada. O reajuste pode sair por meio de uma medida provisória.

Segundo o "Agora" apurou com fontes das negociações, a proposta, que deve ser apresentada às centrais sindicais amanhã, prevê aumento acima da inflação deste ano, que deve ser de 3,64%, entre 60% e 80% do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2008 para quem ganha mais que o mínimo. O índice depende de estudos do governo.

Pela proposta, o aumento deve ser de 6,7% a 7,72%. Pelas regras atuais, quem ganha mais que o mínimo teria aumento de 3,64% (a inflação prevista entre fevereiro e dezembro deste ano). Já para o piso a previsão é de 8,74% (inflação mais o PIB de 2008).

A proposta anterior, acordada em agosto entre o governo e a Força e a CUT, previa aumento real para os benefícios acima do mínimo de 50% do PIB, garantindo reajuste de 6,19%.

Essa proposta, dentro de um pacote de medidas elaboradas pelo deputado Pepe Vargas (PT-RS), não foi adiante devido à falta de consenso entre os aposentados.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci, disse que, por enquanto, ainda não recebeu uma proposta diferente. O ministro, porém, afirmou que não é o único interlocutor do governo que está discutindo uma proposta de reajuste.

A Cobap (confederação de aposentados) e a UGT (União Geral dos Trabalhadores) não concordaram com o índice proposto -as entidades exigiam que o aumento dos benefícios fosse igual ao do salário mínimo. O governo, por sua vez, afirma que não há como bancar esse aumento.

De acordo com cálculos do Ministério da Previdência, esse reajuste causaria aumento de R$   6 bilhões nos gastos do INSS em 2010 e aumentaria nos anos seguintes.

O presidente da CUT, Artur Henrique, afirmou que ainda não viu novas propostas do governo, mas disse que o aumento de até 7,7% é um avanço na negociação.

Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical, disse que o ideal é sair da negociação com uma MP, para garantir o aumento para o próximo ano.

Folha de São Paulo – 10-11-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Folha de São Paulo
Imprimir   enviar para um amigo
Consultas sobre Previdência Social com o Prof. Mauri Ricetti
A legislação previdenciária assegura ao cônjuge ou companheiro do dependente do segurado que foi a óbito o direito de receber pensão por morte
Consultas sobre Previdência Social com o Prof. Mauri Ricetti
sua explanação de que houve recolhimento de contribuições por parte do banco em que trabalhou é a evidência de que
Cálculo da aposentadoria
os benefícios oferecidos pelo INSS terão como teto mínimo o valor do salário mínimo oficial, ou seja, R$   350,00, visto que o salário mínimo regional é somente parâmetro para salário das categorias que não tivessem piso

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 36 de um total de 36 páginas

InícioAnterior27282930313233343536

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover