Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


PNEUS CONTINENTAL ¨MEIA VIDA¨ ESTÃO DANDO PROBLEMAS
Para visualizar o texto completo clique no título da matéria.
CNJ suspende pagamentos de R$  100 milhões em auxílio-alimentação
Ao todo, o valor total do auxílio alimentação retroativo é de R$  350,4 milhões, sendo que mais de R$  249 milhões já...
veja mais

 

27/01/2008 - fantasma do afastamento por lesão

 

Nájia Furlan [27/01/2008]

Foto: Daniel Derevecki

 
Sérgio de Barros: “Temos
fiscalizado e autuado bastante”.
 
“Eu me sinto inútil e descriminado”. Esse é o desabafo de um metalúrgico, de 37 anos, pai e chefe de família, afastado do trabalho desde novembro de 2004. Ele que preferiu não se identificar é funcionário de uma grande indústria automotiva na Grande Curitiba. Na fábrica, o ritmo de trabalho era intenso, assim como a pressão. O posto que ocupava e a tarefa que exercia eram desgastantes demais. Resultado dessa somatória foi a doença ocupacional que o acometeu. Na equipe dele, de 12 pessoas, a maioria dos trabalhadores também se afastou e hoje passa pelos mesmos dramas. “Tem muitos colegas com problemas de saúde, decorrentes do trabalho. Uns se afastam e outros trabalham, mesmo doentes, por medo de demissão. O problema existe, é real e grave, mas parece que ninguém vê.”

 A função do metalúrgico, durante mais de um ano, era “colocar buchas nas guias traseiras do carro”. “Tinha uma máquina para isso, mas não funcionava. Fazíamos esse serviço com a mão”, relata. As dores apareceram em 2003. “Comecei a sentir choques e dormência na mão. Procurei o médico da empresa e ele dava remédio para dor ou injeção e mandava retornar ao trabalho. Trabalhei até onde pude. Até não agüentar”. Ele já fez cirurgia e, no final de 2004, afastou-se. “Tranquei minha faculdade, pois perdi a força, a sensibilidade e o equilíbrio do braço esquerdo. Isso refletiu também na minha vida familiar. Faço tratamento psicológico, psiquiátrico e tomo remédio para depressão. Minha saúde está acabada e estou sem sonhos e perspectivas”, lamenta.

Apoio ele diz que não recebia nem enquanto estava ativo. “Nem luvas eles queriam dar. Apesar de terem uma sala toda equipada de fisioterapia, eles não liberam os funcionários para fazer para não perder tempo. Às vezes, não permitem nem que paremos para ir ao banheiro. Eles só querem saber da produção”, comenta. Em agosto, ele passará por nova perícia, mas já adianta que não se sente apto a voltar ao trabalho, nem físico nem mentalmente. “Acho que caberia aos órgãos competentes fazerem com que a empresa cumprisse o que determina as leis. Não é possível que eles permitam que uma empresa com três mil funcionários diretos tenha tantos lesionados”, clama.

Fiscalização

De acordo com o superintendente substituto da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) do Paraná, Sérgio de Barros, as leis de fato existem. “São 33 normas federais que tratam da segurança e saúde no trabalho”, comenta. Segundo ele, também há profissionais e fiscalização. “No Paraná são 150 auditores, 30 especializados em segurança e saúde. Temos fiscalizado e autuado bastante”, diz. No entanto, o número de profissionais é insuficiente e, por isso, não há como fiscalizar todas as empresas. O que, como explica Barros, a DRT faz, então, é trabalhar em cima de metas sobre os setores de mais riscos como construção, madeireiro, químico, hospitalar e agrícola. Uma maneira de amenizar essas carências é o empregado denunciar. “Recebemos denúncia pelos telefones 3219-7721 ou 3219-7722”, orienta.

Pouco investimento e pouca fiscalização

Foto: Lucimar do Carmo

 
O fisioterapeuta Alison Klein.
 
O fisioterapeuta Alison Klein, especializado na implantação de programas de saúde do trabalhador, acredita que as empresas investem cada vez mais em prevenção. No entanto, os investimentos ainda são menores que o necessário. De acordo com ele, o que se vê, atualmente, é uma atitude ainda muito reativa por parte dos empresários. “Eles apenas fazem o que os fiscais pedem, quando fazem a fiscalização”, afirma. O profissional diz que o cuidado com a saúde do trabalhador é responsabilidade da empresa. Porém, sugere que o trabalhador também se preocupe com sua própria saúde.

Klein explica que nos últimos 20 anos o perfil das doenças no trabalho mudou. “Antes mais comuns eram os acidentes as fraturas, quedas. Hoje, porém, as doenças mais comuns são as relacionadas à fadiga, dores do trabalho. Principalmente nos trabalhos administrativos, nos quais as pessoas são expostas à sobrecarga, aliada à inatividade física, a posturas estáticas”, afirma.

As maneiras de combater essas doenças são ginástica laboral e avaliação, com mudanças, nos postos de trabalho. “Nenhuma empresa vai ter sucesso se não mexer no posto de trabalho. Não digo apenas no mobiliário, mas também no ritmo e volume de trabalho”, completa.

Risco em todas as áreas

Segundo a médica perita do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) no Paraná, Tânia Fiedler, as doenças mais comuns, como causas de afastamento, geralmente bastante longos, são depressão e as doenças músculo-esqueléticas (Dorts). Ela revela que, de janeiro a dezembro de 2007, dos 44.890 benefícios concedidos pelo órgão em Curitiba, 6.041 foram auxílios acidente de trabalho, o que inclui doenças ocupacionais.

Para o também médico da área Ruddy Facci, todos os trabalhos têm riscos. Estes, segundo ele, variam de acordo com a atividade. “Como profissionais da área nos cabe identificar o problema e orientar a empresa sobre o que deve ser feito para eliminar esses riscos”, afirma. Ele acredita que ao tratar de doenças ocupacionais não se pode “colocar tudo no mesmo balaio e tratar com um padrão, geral”.

O médico sugere a adequação da legislação è realidade local e atual; fiscalização; conscientização dos empresário e trabalhadores; e profissionais de saúde atualizados

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
PENSÃO POR MORTE SERÁ RATEADA ENTRE A MULHERES DO BENEFICIÁRIO.
A companheira ou a segunda esposa só não teria direito caso não tivesse uma pensão decretada em uma ação de alimentos. Não interessa o valor baixo da pensão, pois no caso de morte o valor da pensão será aquela estipulada pela Previdência Social dividida e
ATENDIMENTO: INSS reduz Tempo Médio de Espera no Agendamento em vários estados
Amazonas registrou redução de 64% no TMEA em 12 meses
A inconstitucionalidade da responsabilidade solidária imputada aos sócios e administradores das empresas por débitos previdenciários
Como é sabido, por existir evidente distinção entre a pessoa jurídica e a pessoa física dos seus sócios e administradores, o Código Tributário Nacional prevê que os administradores da pessoa jurídica só poderão ser responsabilizados por débitos exigidos d
AUXÍLIO RECLUSÃO, SEGURADO QUE NUNCA CONTRIBUIU PARA A PREVIDÊNCIA
Para visualizar o conteúdo desta matéria clique sobre o título da mesma.
PERDA DA CONDIÇÃO DE SEGURADO DA PREVIDÊNCIA
Para visualizar o conteúdo do texto clique sobre o seu título
Aposentados até 2003 podem receber diferença no benefício
Baseados na decisão a uma pessoa de Sergipe, o Supremo Tribunal Federal (STF) liberou os juízes para decidirem da mesma forma em ações de aposentados que reclamam de duas medidas do INSS que achataram os benefícios, uma de 1998 e outra de 2003. Portanto,
STJ determina fim da greve de médicos peritos do INSS
O ministro Humberto Martins, da Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou hoje o retorno ao trabalho dos médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Martins reconsiderou decisão liminar anteriormente tomada e ente
SEU DIREITO - PREVIDÊNCIA
O Brasil assinou um tratado com o Japão, compartilhando as contribuições previdenciárias. Isso significa que as pessoas que trabalharam e contribuíram no país asiático podem se utilizar de tal tempo de contribuição para obter os benefícios da Previdência
A solução da previdência brasileira é moleza
Vamos lá. Na previdência dos servidores públicos só há uma saída: a capitalização dos regimes próprios. Sem possibilidade de aumentos expressivos do número de servidores – pela não necessidade, já que o Estado brasileiro deve se limitar às atividades esse
Sem soluções para desarmar a bomba-relógio da previdência
Uma “bomba” chamada fundo previdenciário está armada no Paraná. É alimentada pela falta de repasses do governo do estado. O déficit já chega à casa do bilhão e continua aumentando ano a ano. Se não for desarmada, pode comprometer os pagamentos das futuras

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 10 de um total de 36 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516171819PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover