Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Juízes Corruptos
Sabe qual será a punição? Aposentadoria proporcional ao tempo de serviço para os Juízes corruptos.
Passei, mas não levei
Dedicação, sorte e força de vontade. Esses requisitos são essenciais para quem pretende ser aprovado num concurso - que...
veja mais

 

12/04/2011 - Justiça - Código de Processo Penal - Câmara aprova reforma, mas mantém prisão especial

A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei que altera o Código de Processo Penal, aumentando, entre outros pontos, a possibilidade de adoção de medidas cautelares e o valor das fianças, mas manteve a prisão especial para autoridades, parlamentares, governadores, prefeitos, líderes religiosos, presidentes de sindicatos e portadores de diploma de curso superior. O texto segue agora para sanção da presidente Dilma Rousseff.

A votação só foi possível após os deputados fecharem um acordo para retirar do texto a proposta que acabava com a prisão especial para diversos setores. A retirada do artigo que acabava com a prisão especial pelo critério de títulos, ponto incluído pelos senadores, foi a condição imposta pelos deputados para a aprovação do texto que altera o código. Pelo texto que veio do Senado, a prisão especial teria de ser determinada pelo juiz para pessoas que corressem algum tipo de risco, independentemente da formação do preso. Os senadores, porém, não alteraram a lei da magistratura, que garante a cela especial para a defensoria e os magistrados, por exemplo.

 “Não podemos revogar algumas [prisões especiais] e outras não. Temos que discutir a prisão especial para todos. Voltaremos a tratar disso na reforma do Código de Processo Penal”, disse o líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP). Até lá, todas as possibilidades de prisões especiais, inclusive para deputados e senadores, estão mantidas.

De acordo com o texto aprovado ontem, a possibilidade de penas alternativas, as chamadas medidas cautelares, aumentarão. Ficam instituídos, por exemplo, a proibição de acesso a determinados lugares, o recolhimento domiciliar noturno e a monitoração eletrônica. O intuito, segundo João Campos (PSDB-GO), relator da proposta, é desafogar as prisões. De acordo com ele, hoje o preso das fianças são simbólicos, o que vai mudar.

Pela proposta, os condenados a até 4 anos de prisão poderão pagar até cem salários mínimos e os que forem condenados a mais de 4 anos, duzentos mínimos. Hoje, explica ele, são 5 salários para penas de até 2 anos e 20 para até 4 anos. “E dependendo das condições econômicas e da participação no crime esses valores novos poderão ser multiplicados até por mil”, diz o deputado.

Outro ponto do texto é a criação de um banco de dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para dar a possibilidade da efetivação do mandado de prisão em todo o país.

As mudanças

Alguns dos pontos aprovados pela Câmara:

Medidas cautelares

- Como é: prisão preventiva é a principal forma de garantir o andamento do processo

- Como fica: o juiz poderá optar por novas medidas cautelares, como comparecimento perante a Justiça, proibição de se ausentar do estado e recolhimento domiciliar à noite.

Fiança

- Como é: de 1 a 5 salários mínimos para até 2 anos de prisão; de 5 a 20 salários para até 4 anos; de 20 a 100 salários para pena superior a 4 anos.

- Como fica: de 1 a 100 salários mínimos para até 4 anos de prisão; de 10 a 200 salários mínimos para pena superior a 4 anos. A aplicação poderá variar conforme a capacidade econômica do acusado.

Gazeta do Povo - 08-04-2011

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Audiência de custódia
Audiência de custódia João Baptista Herkenhoff Determinei há quatro décadas, através de portaria, que todo indivíduo preso, no território de minha comarca (Vila Velha, ES), fosse imediatamente trazido ao fórum. Mu
Uso de algemas e compartimento celular
No Direito Processual Penal brasileiro tem sido uma tendência a atribuição de nulidade absoluta a vícios que não afetam diretamente o elemento de prova.
Editorial: Não é pizza
Longe de ser caso isolado, essa foi a regra. Dentre os 37 réus, 25 foram considerados culpados por ao menos um crime. Treze já não podem apresentar nenhum recurso e terão suas punições executadas.
Dilma sanciona lei sobre investigação criminal
Ainda é destacado na legislação que o indiciamento é uma ação privativa do delegado de polícia e se dará por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas circunstâncias.
Novo presidente do STJ defende desmembramento de processos com muitos réus
Felix admitiu haver defasagem no Código Penal, especialmente no que diz respeito a crimes modernos, como os eletrônicos, os sexuais e a lavagem de dinheiro.
Defensoria Pública do Estado do Paraná / 2012
(A) Após o oferecimento do aditamento a defesa terá o prazo de 10 (dez) dias para se manifestar, podendo arrolar testemunhas, requerer diligências e proceder a novo interrogatório do réu.
Bibinho é preso por atrapalhar o andamento de ação judicial
O advogado Eurolino Sechinel Reis – que defende Abib Miguel, o Bibinho – considerou “abusiva” a prisão do ex-diretor-geral da Assembleia Legislativa do Paraná.
Dilema carcerário
SÃO PAULO - Tem preso saindo pelo ladrão. Como mostrou Claudia Antunes no último domingo, a taxa de encarceramento no Brasil praticamente triplicou nos últimos 16 anos. Passamos de 95 presos para cada 100 mil habitantes em 1995 para 269. Dos países mais p
Julgamento - STF nega privilégio de foro a dois juízes aposentados
O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou nesta quinta-feira (22) que, quando se aposentam, as autoridades perdem o direito ao foro privilegiado. No Brasil, as autoridades que ocupam cargo nos três Poderes, como o presidente da República, os parlamentare
Prisão preventiva adequada
A discussão acerca da legitimidade da prisão preventiva por conveniência da instrução criminal não existe. Garantindo o adequado desenvolvimento do processo, tutela a produção probatória, caracterizando-se como cautela instrumental. Também não conflita co

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 1 de um total de 22 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover